Tragédias e internet

Não é de hoje que observo indivíduos culparem a internet pelas recentes tragédias que acometem a humanidade. Vociferam que se trata de uma terra sem lei, que pessoas conectadas pregam o racismo e incitam a violência, ensinam práticas criminosas e conduzem as mentes fracas. Esses indivíduos pedem uma legislação mais dura e controladora, como subterfúgio à falta de educação e ensino moral que assola o país.

A falta de moral, a loucura, a maldade, a psicose são problemas que a sociedade enfrenta antes da vinda de Cristo a Terra.

Não há dúvidas de que a internet derrubou fronteiras e criou um fenômeno social nunca antes visto, mas tratar tal fenômeno como algo maléfico é tarefa para radicais, os mesmos que sonham com a volta da ditadura.

Em face das tragédias que acometem a humanidade nos resta rezar, ser solidário com a dor de quem sofre, mas sobretudo refletir antes de  pedir o cerceamento de nossa própria liberdade.

Saudações, Rodrigo Marcos Antonio Rodrigues

Conheça os 10 direitos e princípios da internet

Elaborado por uma rede aberta de indivíduos e organizações que trabalham para defender os direitos humanos no ambiente de internet. Saiba mais em: http://www.irpcharter.org/

10 DIREITOS E PRINCÍPIOS DA INTERNET:

 

1) Universalidade e Igualdade - Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos, que devem ser respeitados, protegidos e cumpridos no ambiente online.

2) Direitos e Justiça Social - A Internet é um espaço para a promoção, proteção e cumprimento dos direitos humanos e também da promoção de justiça social. Cada indivíduo tem o dever de respeitar os direitos humanos de todos os outros no ambiente online.

3) Acessibilidade - Todos os indivíduos têm igual direito de acesso e utilização a uma Internet segura e aberta.

4) Expressão e Associação - Todos os indivíduos têm o direito de procurar, receber e difundir informação livremente na Internet sem censura ou outras interferências. Todos os indivíduos têm também o direito de se associar livremente, seja para fins sociais, políticos, culturais ou outros, na e através da Internet.

5) Privacidade e Protecção de Dados - Todos os indivíduos têm o direito à privacidade online, incluindo a liberdade de vigilância, o direito de usar criptografia e o direito ao anonimato online. Todos os indivíduos têm também o direito à protecção de dados, incluindo o controle sobre colecção, retenção, transformação, eliminação e divulgação de dados pessoais.

6) A Vida, Liberdade e Segurança - O direito à vida, à liberdade e à segurança na Internet devem ser respeitados, protegidos e cumpridos. No ambiente online estes direitos não devem ser desrespeitados, ou utilizados para violar outros direitos.

7) Diversidade - A diversidade cultural e linguística na Internet deve ser promovida; técnicas e políticas inovadoras devem ser incentivadas para facilitar a pluralidade de expressão.

8.) Rede de Igualdade - Todos os indivíduos devem ter acesso universal e aberto ao conteúdo da Internet, livre de priorização discriminatória, de filtragem ou controle de tráfego por motivos comerciais, políticos ou outros.

9) Normas e Regulamentos - A arquitetura da Internet, os sistemas de comunicação e o formato de documentos e dados devem ser baseados em padrões abertos que garantem a completa interoperabilidade, a inclusão e a igualdade de oportunidades para todos.

10) Governança - Os direitos humanos e a justiça social devem formar as bases legais e normativas sobre as quais a Internet funciona e é governada. Isto deve acontecer de forma transparente e multilateral, baseada nos princípios de abertura, participação inclusiva e de responsabilização.

Saiba como o Google despontou como o maior buscador da internet

Logo Google Tom Jobim

O Google se firmou como o maior buscador da internet em razão da forma que o seu sistema indexa as informações. Aliás, se tornou muito mais do que um simples buscador, é um provedor de produtos e serviços que ameaça até mesmo a Microsoft, com suas soluções baseadas na computação em nuvem (cloud computing). Antigamente, os buscadores dependiam de um cadastro prévio da página publicada na internet para alimentar o seu banco de dados, se o cadastro não era atualizado pelo interessado, as informações permaneciam desatualizadas no buscador. Os antigos buscadores também dependiam do título da página e das METATAGS que trazem a descrição do site e as palavras-chaves correspondentes. Essas informações ficam no cabeçalho da página da internet, o título um pouco acima. O Google também utiliza essas informações para indexar a página, mas vai muito além, os seus robôs são bem mais inteligentes e varrem periodicamente os arquivos hospedados nos servidores, não se limitando a varrer arquivos no formato HTML. A “nuvem de tags”, tão utilizada atualmente nos blogs e sites, é um exemplo de ferramenta que ajuda na indexação no Google. Um bom nome de domínio continua sendo importante.

A gratuidade das indexações também foi fator preponderante para o sucesso, prevalecendo nos primeiros resultados da busca as páginas mais populares, além dos anúncios pagos. O que torna uma página popular é o número de vínculos (links) que existe para ela em outras páginas igualmente indexadas.

Se você digita um endereço no Google, ele te mostra o mapa de localização. Forneça o nome de uma música para que ele retorne a biografia do artista, arquivos digitais de música, vídeo e muito mais. Se a idéia é conhecer outros países sem sair de casa, basta instalar o GoogleEarth. Quer um browser para navegar pela internet? O Google tem, chama-se Google Chrome.

Gmail, Youtube, Orkut, Google docs e muito mais, o Google é arrasador. Compará-lo ao Facebook é uma heresia. A única ameaça à hegemonia tecnológica do Google vem do próprio Google, ou seja, ele quebrar financeiramente. Verdade é que sua receita tem diminuído, em parte pela ascensão de redes sociais como o Facebook, que atraem os anunciantes exclusivamente em razão da crescente popularidade.

O Google centralizou todo conteúdo da internet em um só lugar; é o ponto de partida da navegação pela rede mundial de computadores; é o Oráculo do Século XXI, mas não espere encontrar informações fidedignas fáceis, tem que interrogá-lo diversas vezes, descartar respostas e muitas vezes montar um quebra-cabeça de informações.

Você deve estar pensando: o autor do Blog é fã incondicional do Google. Fã, sim, incondicional, não. Esse Oráculo deve observância às leis do nosso país, não é nenhuma divindade que está entre o céu e a terra, não é o Oráculo de Delfos e nem a simpática velinha do filme Matrix.

Conhece-te a ti mesmo.

Acesso a todos os produtos e serviços do Google: http://www.google.com.br/intl/pt-BR/options/

Saudações a todos,

Rodrigo Marcos Antonio Rodrigues

Confira cartilha com dicas sobre uso seguro da internet para toda a família

A Comissão de Crimes de Alta Tecnologia da OAB/SP em parceria com a Universidade Mackenzie, lançou interessante cartilha sobre “USO SEGURO DA INTERNET PARA TODA A FAMÍLIA – recomendações e boas práticas”. Privacidade, liberdade de expressão, crimes de preconceito e contra o direito autoral, pornografia infantil, cyberbullying, vale a pena conferir e se informar. Clique aqui  para acessar a cartilha no formato PDF.

Saudações,

Rodrigo Marcos Antonio Rodrigues

Procurador-geral norte-americano divulga sentença de morte no twitter

No ano passado, Mark Shurtleff publicou em sua conta no twitter, por meio de um iPhone, a decisão de autorizar a execução do preso Ronnie Gardner. Momentos depois, o condenado havia sido fuzilado. Alguns minutos depois, a expressão “pilotão de fuzilamento” (firing squad) tornou-se uma das mais citadas no twitter, indo parar na lista de trending topics.

Isso ocorreu no estado de Utah e o próprio condenado escolheu a forma de execução. Ele havia matado um advogado durante uma tentativa de fuga num tribunal. 

Estou pensando em pedir para o Mark divulgar uma decisão liminar num MS que tenho na seção judiciária de São Paulo, calma, explicarei o motivo. O oficial de justiça encarregado deixou de notificar a autoridade coatora, notificou numa segunda diligência, mas não entregou a contrafé e o teor da decisão. O número do processo ela já tem ….

Com tamanha popularidade, ao menos a decisão ganharia efeito erga omnes …. o ideal é que a expressão “CESSE O ATO ILEGAL” apareça na lista de trending topics :)

Ai, se a moda pega!

Abraços,

Rodrigo Marcos Antonio Rodrigues